top of page
  • Marsurvivor

Combate Extremo: Desenvolva habilidade com as duas mãos


Infelizmente, alguns instrutores de autodefesa se referem à mão principal como a “mão forte". Como diz o Psicólogo Canadense Jordan Peterson as palavras são importante, e se você pensar em sua mão dominante como “forte”, segue-se que sua outra mão é “fraca”. Não tenho uma mão fraca, assim como não tenho uma “arma forte” e uma “arma fraca”. Você deve focar em suas preparações em se tornar a arma perfeita, o melhor guarda costa, capaz de se proteger e a sua família em qualquer situação.


Nesta postagem vamos falar sobre a importância de desenvolver habilidade combativa com a as duas mãos e como iniciar o treino.



A impotância de forjar habilidade com as duas mãos


Se você é destro, essa é sua mão principal. Se você é canhoto (8% a 10% da população), a esquerda é a mão principal. Aproximadamente 1% da população é ambidestra, o que significa que eles se sentem igualmente confortáveis ​​usando essa ambas as mãos. Você praticante de autodefesa esta acostumado a utilizar a mão principal também é mantida livre para que você possa agarrar, empurrar ou direcionar a pessoa que está protegendo, ou sacar o seu equipamento tático e iniciar o combate. Mas e se você na situação de combate ferir um dos braço, justamente aquele que você utiliza como principal.


Então em nossas preparações sempre devemos pensar nas piores situações limites. A maioria das pessoas é naturalmente inclinada a usar uma mão como a mão dominante. No entanto, você combatente urbano, sobrevivencialista ou profissional de área de segurança também pode treinar para usar as duas mãos igualmente bem. Agora vamos ver algumas dicas para desenvolver sua ambidestria combativa.



Ficando confortável com sua outra mão


Aqui vão algumas dicas para você desenvolver habilidade combativa com as duas mãos igualmente:


Faça exercícios: para fortalecer a mão e os dedos não dominantes. Sua mão não dominante provavelmente é muito menos forte do que sua mão dominante, o que torna mais difícil no início se tornar ambidestro.


Treine em tarefas diárias: Comece a realizar pequenas tarefas diárias com a mão não dominante. Use sua mão não dominante para fazer coisas como escovar os dentes, abrir portas, colocar acessórios ou limpar a casa. Faça isso da forma mais consistente possível para tornar o uso da mão não dominante menos estranho.


Técnica de Combate: Para treinar amarre sua mão dominante atrás das costas. Comece a treinar todas as técnicas utilizando só a mão livre: defendendo, atacando, esquivando, avançando e recuando. Depois treine com um colega, primeiro peça para seu colega atacar e você só defendo, depois comece a atacar enquanto seu colega defende, e depois os dois lados atacam e defendem. Este método irá forçá-lo a usar exclusivamente sua mão não dominante para fazer tudo. Esta é uma ótima maneira de fazer com que sua mente e seu corpo se adaptem rapidamente ao uso desta mão, mas você pode querer fazê-lo depois de alguns dias de prática primeiro.


Treino com arma branca: Depois faça a mesma coisa da dica acima com armas: bastão, tonfa, faca, facão, etc... Treine com a mão dominante depois repita com a outra. Depois chame seu colega de treino e treine combate com equipamento próprio como bastão de espuma e faca de madeira.


Arma de fogo: Comece praticando com sua mão dominante com tiro de mão única. Atire com uma mão até se sentir forte e confiante de que pode ser preciso quando tiver menos controle. Pegue a arma e atire, mova, mude os pontos de alvo, solte o carregador, solte o slide e até mesmo carregue com sua única mão dominante. Você perceberá rapidamente que levará tempo para dominar. Depois comece a manipular e manusear sua arma de fogo exatamente da mesma maneira que faria com sua mão dominante. É como tentar escrever seu nome com a mão esquerda, e tão desajeitado quanto. Com o tempo, sua habilidade e força irão melhorar. Claro, use sua arma de fogo descarregada e sem munição durante o início desses exercícios, de preferência utilize uma réplica de airsoft.


Dica: Se você estiver treinando sozinho, faça um vídeo de cada estágio e assista repetidamente. Em seguida, fique na frente de um espelho e corrija os movimentos que o vídeo mostrar. Veja-se de vários ângulos para aperfeiçoar mudanças de postura, desenhar hábitos, recarregar revistas e guardar.



Muito Difícil?


A primeira e mais difícil de superar é a mentalidade e a frustração da expectativa. Se você é um atirador experiente, espera aprender rápido e, independentemente de ser um veterano ou um novato, será frustrado pela falta de destreza em sua mão secundária. A melhor maneira de combater isso é fazer um esforço consciente para lembrar que você está aprendendo um novo conjunto de habilidades e começando a criar novos caminhos neurais em seu cérebro, então se permita aprender em seu próprio ritmo.


Outro desafio é a questão do olho dominante. Se o seu olho dominante estiver do mesmo lado que o seu braço forte, feche-o e force o outro olho a funcionar. Em segundo lugar, você pode simplesmente girar levemente a cabeça para trazer o olho dominante para a linha de visão. Em terceiro lugar, você pode levantar a arma de fogo, alterando levemente a posição do braço e da mão, para alinhá-la com o olho dominante enquanto controla com a mão não dominante. Não importa qual você escolha, você terá que praticar.


Encontrar seus próprios pontos fortes de aprendizado é fundamental, portanto, se você precisar fazer anotações, faça anotações; se precisar se ver; grave; se precisar ouvir, e verbalize seus erros e reparos. E não importa o que aconteça, continue praticando as habilidades físicas com atenção infinita aos detalhes.


Lembre-se: O sobrevivencialista e combatente urbano faz seu próprio caminho, é o seu próprio mestre, não procure por um Mestre Yoda pra chamar de seu. Seja questionador, faça cursos em lugares credenciados com profissionais com experiência em área de segurança. Afinal autodefesa é um investimento para proteger a sua vida e daqueles que o cerca. Semper fi.

Dúvidas? Sugestões? Deixem nos comentários. E nos ajude a lutar por uma internet livre onde possamos aprender e compartilhar conhecimento, sem restrição.

Prof. Marcos Antônio Ribeiro dos Santos




E não esqueça de visitar nossa biblioteca sobrevivencialista virtual, clicando na imagem abaixo:



Sobreviva a tudo e a todos. Seja o seu próprio Mestre. Autodefesa levada à sério.


Grupo Centro de Estudo MARS de Sobrevivencialismo Urbano

7 visualizações0 comentário
bottom of page