• Marsurvivor

Legítima Defesa: Você tem certeza que é capaz de matar em um cenário de crise?

Atualizado: Mar 3


A pergunta acima pode chocar, mas é importante esse auto exame, pois muitas pessoas tem dificuldade até de lutar de maneira mais forte dentro da academia. Sentem medo, ou receio de se machucar ou machucar o colega, o que dirá tirar uma vida. Muitas pessoas respondem de pronto que sim, pata tentar validar a sua coragem, mas na prática o ato de matar vai contra a doutrinação social, e a nossa própria natureza quanto espécie, já que a maioria de nós não são psicopatas. Contudo, o domínio da agressão humana, é vital para o desenvolvimento futuro e, talvez, para a própria existência de nossa civilização. Porém para algumas mais do que outras o assunto ainda é um tabu, frente o politicamente correto. O ato de matar na sociedade moderna, não é visto como uma necessidade, mas sim como um ato que vai contra doutrinas religiosas, e conceitos morais presentes em nossa sociedade moderna. Mesmo em um cenário como o nosso, com 62 mil estupros e 65 mil homicídios e latrocínios (morte em assaltos) anuais, um agente de segurança pública quando mata para salvar um cidadão passa por todo tipo de reprovação, desde a mídia e movimentos sociais, até da própria sociedade. Tirar uma vida, ferir uma pessoa mortalmente vai contra o nosso condicionamento social. Então é de suma importância um autoexame para saber até onde o condicionamento moral social teofilosófico possam ter prejudicado a sua capacidade de reação letal em um cenário extremo, podendo trava-lo no momento no momento de crise. Uma vez feito esta reflexão você pode pensar em trabalhar e desenvolver o seu mindset combativo de maneira efetiva, como veremos a seguir nesta matéria.

Observação importante: As informações presentes nesta matéria são para o público maior de 18 anos, para fins de conhecimento didático, e treinamento combativo baseado na legítima defesa e estrito comprimento legal que estão em nossa constituição e Código Penal. O uso indevido dessas informações, bem como suas consequências é de responsabilidade única e exclusivamente de quem praticar e desobedecer a lei. Então use o cérebro.

Depois de ler a mensagem acima podem iniciar a leitura do artigo abaixo:

Mais rápido, mais eficiente, mais letal

Sabendo da dificuldade e dos entraves sociais que um ser humano é condicionado diversos países do mundo buscaram formas de desbloquear os instintos guerreiros de seus soldados. O Exército dos EUA, por exemplo, aumentou a taxa de disparo tradicional de 15% para 50% entre a Segunda Guerra Mundial e o conflito coreano e novamente para mais de 95% no Vietnã e na Tempestade no Deserto. Os britânicos aumentaram de forma semelhante sua taxa de disparo, com um efeito devastador nas Malvinas, contra os argentinos ainda em níveis tradicionais. Todas as forças armadas modernas, desde então, resolveram o problema. Como?


Grossman relata cinco fatores que influenciam (determinam?) a probabilidade de uma pessoa matar:


1. Predisposição do assassino

Temperamento

Treinamento / Condicionamento

Experiências Recentes


2. Atratividade do alvo

Relevância

Pague


3. Distância do alvo

Distância física

Distância emocional


4. Absolução de Grupo

Suporte para matar

Identificação com grupo

Proximidade do grupo

Número no grupo

Legitimidade do grupo


5. Demandas de autoridade

Intensidade de demanda para matar

Legitimidade de autoridade

Respeito pela autoridade

Proximidade



Muitos desses fatores foram bem compreendidos e amplamente praticados nos dias de taxas de disparo de 15%. Pode ser assim que os exércitos deixaram de depender de 2% da população predisposta a matar em combate sem um estímulo dramático ou remorso prejudicial. Uma grande lacuna no desempenho de combate permaneceu porque, “Quando as pessoas ficam com raiva ou assustadas, elas param de pensar com o cérebro anterior (a mente de um ser humano) e começam a pensar com o mesencéfalo (que é indistinguível da mente de um animal, cérebro reptiliano). Eles estão literalmente morrendo de medo. A única coisa que tem alguma esperança de influenciar o mesencéfalo é também a única que influencia um cão: o condicionamento clássico e operante. ” A grande mudança veio quando o Exército dos EUA começou, talvez sem querer, a incorporar os comportamentos demonstrados por Pavlov e BF Skinner, tornando o treinamento muito mais realista, repetitivo e gratificante.


O treinamento da Segunda Guerra Mundial foi conduzido em um campo de tiro gramado, no qual o soldado atirava em um alvo. Depois de disparar uma série de tiros, o alvo era verificado e ele recebeu um feedback que tinha acertado.

O treinamento moderno chega o mais perto possível de simular as condições reais de combate. O soldado está em uma trincheira com equipamento de combate completo, e alvos em forma de homem aparecem brevemente na frente dele. Esses são os estímulos eliciadores que estimulam o comportamento do alvo ao atirar. Se o alvo for atingido, ele cai imediatamente, fornecendo feedback imediato. O reforço positivo é dado quando esses tiros são trocados por medalhas de tiro.

O treinamento tradicional de tiro ao alvo foi transformado em um simulador de combate.

Assim, o soldado cidadão é transformado em uma máquina de matar confiável. Transcender tabus quando o momento pede. Outra chave para melhorar o desempenho do operacional a partir do trabalho de Grossman, é o valor da dinâmica de grupo no trabalho.


Numerosos estudos concluíram que os homens em combate geralmente são motivados a lutar não por ideologia, ódio ou medo, mas por pressões de grupo e processos que envolvem:

(1) consideração por seus camaradas,

(2) respeito por seus líderes,

(3) preocupação com sua própria reputação com ambos, e

(4) um desejo de contribuir para o sucesso do grupo.



Além do condicionamento social da não reação violenta, ainda encontramos em nossa própria natureza alguns obstáculos. Pois, não somos portadores de psicopatia, e a empatia apesar de ser uma grande qualidade para desenvolver no dia a dia em nosso convívio social pode dificultar a violência extrema para a maioria das pessoas em um combate direto, tendo resistência de matar indivíduos da própria espécie quando necessário para proteger a própria vida ou de sua família. Durante as batalhas territoriais e de acasalamento, os animais com chifres se chocam de maneira relativamente inofensiva, as cascavéis lutam umas contra as outras, e as piranhas lutam contra a própria espécie com golpes de rabo, mas contra qualquer outra espécie essas criaturas liberam seus chifres, presas e dentes sem restrição.

Este é um mecanismo de sobrevivência essencial que impede que uma espécie se destrua durante os rituais territoriais, e de acasalamento. Uma compreensão do estresse do combate próximo começa com uma compreensão da resposta fisiológica à agressividade interpessoal de curto alcance. A visão tradicional do estresse de combate é mais frequentemente associada à fadiga de combate e ao Transtorno de Estresse Pós-Traumático, que na verdade são manifestações que ocorrem depois e como resultado do estresse. O pesquisador Bruce Siddle definiu o estresse de combate como a percepção de uma ameaça iminente de ferimentos graves ou morte, ou quando se tem a responsabilidade de proteger outra pessoa de ferimentos graves ou morte iminente, sob condições onde o tempo de resposta é mínimo.


Os efeitos debilitantes do estresse de combate são reconhecidos há séculos. Fenômenos como visão de túnel, exclusão auditiva, perda de controle motor fino e complexo, comportamento irracional e a incapacidade de pensar claramente foram todos observados como subprodutos do estresse de combate. Embora esses fenômenos tenham sido observados e documentados por centenas de anos, muito pouca pesquisa foi realizada para entender por que o estresse no combate deteriora o desempenho.

Uma importante revelação moderna no campo da psicologia militar é a observação de que essa resistência a matar a própria espécie é também um fator-chave no combate humano. O Brigadeiro General SLA Marshall observou isso durante seu trabalho como historiador oficial do Teatro Europeu de Operações na Segunda Guerra Mundial. Baseado em suas entrevistas pós-combate, Marshall concluiu em seu livro de referência, "Men Against Fire", que apenas 15 a 20% dos fuzileiros individuais na Segunda Guerra Mundial dispararam suas armas contra um soldado inimigo exposto. Armas especializadas, como um lança-chamas, geralmente eram disparadas. As armas servidas por tripulação, como uma metralhadora, quase sempre eram disparadas. E o disparo aumentaria muito se um líder próximo exigisse que o soldado atirasse. Mas, quando deixados à própria sorte, a grande maioria dos combatentes individuais ao longo da história parece ter sido incapaz ou não ter vontade de matar.


No entanto, os seres humanos são muito hábeis em encontrar meios mecânicos para superar as limitações naturais. Os humanos nasceram sem a capacidade física de voar, então encontramos mecanismos que superaram essa limitação e permitiram o voo. Os humanos também nasceram sem a capacidade psicológica de matar nossos semelhantes. Assim, ao longo da história, dedicamos grande esforço para encontrar uma maneira de superar essa resistência. Do ponto de vista psicológico, a história da guerra pode ser vista como uma série de mecanismos táticos e mecânicos sucessivamente mais eficazes para permitir ou forçar os combatentes a superar sua resistência à matança, desde metralhadoras, misseis até drones.

Em 1946, o Exército dos EUA aceitara as conclusões de Marshall, e o Escritório de Pesquisa de Recursos Humanos do Exército dos Estados Unidos foi pioneiro em uma formação de combate que acabou substituindo os disparos contra alvos intensos por “condicionamento” profundamente enraizado, usando alvos realistas e forma de homem, alvos que caem quando atingidos. Os psicólogos sabem que esse tipo de poderoso “condicionamento operante” é a única técnica que influenciará de forma confiável o processamento primitivo do cérebro de um ser humano assustado, assim como exercícios de incêndio condicionam crianças em idade escolar a reagir adequadamente durante um incêndio e estímulos repetitivos. ”O condicionamento em simuladores de voo permite que os pilotos assustados respondam reflexivamente a situações de emergência. E finalmente o Tenete-coronel Dave Grossman desenvolveu a Killologia que através de condicionamentos clássicos, operativos trouxe a possibilidade do indivíduo de despertar e condicionar o guerreiro interno. Assim, a killologia está ligada a psicologia comportamental se concentrando na criação de técnicas para estudar e modificar o comportamento observável por meio da manipulação sistemática de fatores ambientais, modificação de comportamento no campo da violência, paz e conflito. Ao longo da história, exércitos e nações tentaram alcançar níveis cada vez mais altos de controle sobre seus soldados, e o reforço e a punição sempre foram conduzidos para isso. Mas isso foi feito pela intuição, meio cega e não sistemática, e nunca foi verdadeiramente entendido. No século XX isso mudou completamente, já que o desenvolvimento sistemático do campo científico da psicologia comportamental tornou possível uma das maiores revoluções na história do combate humano, permitindo que as taxas de ataque efetivo fossem aumentadas de uma base de 20% ou menos na Segunda Guerra Mundial, para mais de 90% entre os exércitos modernos e devidamente condicionados.



Condicionamento social da não reação

Sanford Strong autor do livro: Defenda-se. Um Manual de Sobrevivência ao Crime Urbano, foi policial durante trinta anos nos Estados Unidos, e depois começou a dar aulas sobre autodefesa no cenário urbano. Uma coisa que ele conta em sua obra que toda vez que ele falava nas aulas sobre a necessidade de assistir vídeos e noticiários policiais onde as vitimas são atacas, ou ensinava técnicas mais brutais como furar olhos, seu publico o olhava espantados como se achassem loucura tanta violência. Infelizmente quando dava aula eu também tive a mesma experiência repetidas vezes. É muito estranho, o aluno entra no curso de autodefesa achando que você vai ensinar alguns movimentos mágicos que ira livra-lo de qualquer situação, contra qualquer oponente. Não importando o numero, o peso, sexo ou altura, se está armado ou não. A maioria não entende que apesar de aprender a técnica, a brutalidade, ferocidade e determinação tem que partir do próprio aluno. O que um verdadeiro professor de autodefesa tenta despertar em seu aluno é justamente a “determinação em uma situação extrema”.



Veja um exemplo: na faculdade eu tinha um colega que era casado com uma mulher muito bonita, uma loira alta de olhos azuis. Um dia ele me contou que na época que ela era estagiaria em um escritório de advocacia foi vítima de uma tentativa de estupro. O dono do escritório sempre a chamava para tomar café e para almoçar, e ela sempre dispensava educadamente falando que levava o próprio almoço. Meses passaram até que um dia no final do expediente só estava ele o o dono e ela no escritório, na hora que ela ia sair, ele agarrou pelo braço, e puxou contra seu corpo e falou: Hoje você não escapa. A moça deu uma joelhada no testículo, quando o agressor se encolheu de dor, ela rapidamente pegou uma cadeira do escritório que estava próxima e tacou nas costas dele, depois fugiu e chamou a policia. Imagine se ela não tivesse essa determinação em reagir para preservar a sua integridade física, se ela paralisasse.


Por isso que devemos nos conhecer, fazer um auto exame antes que a crise apareça. Pois se você não tiver determinação para agir com violência em determinada situação, não adianta você portar nem mesmo um fuzil. Você estará em risco e os entes queridos que dependem de você também.


Particularmente o condicionamento operante, a fim de assegura a capacidade do guerreiro de matar, sobreviver, e ter sucesso na missão, em cenários de combate extremo. Os psicólogos sabem que esse tipo de poderoso “condicionamento operante é a única técnica que influenciará de maneira confiável o processamento primitivo do mesencéfalo de um ser humano assustado, assim como os exercícios de incêndio condicionam crianças em idade escolar a reagir adequadamente durante um incêndio e repetitivo estímulo-resposta. O condicionamento em simuladores de voo permite que os pilotos assustados respondam reflexivamente a situações de emergência. Porém assim como temos o condicionamento positivo para melhorar o desempenho do combatente urbano, aqueles no poder, seja político, religioso, mídia, ou qualquer tipo de dogma sempre utilizam o condicionamento negativo contra impulsos violentos, como sentimento de culpa, leis desarmamentista, filosofias pacifistas hipócritas, e todo tipo de coisa para relacionar a luta, a defesa, a um ato imoral, transformando o cidadão a se tornar um cordeiro para imolação. Enquanto a subserviência e a aceitação da agressão e dos insultos como virtude. os conceitos comportamentais básicos de recompensas, punições e treinamento repetitivo para moldar ou controlar. Um bom exemplo é a mídia constantemente doutrinando juntamente com autoridades a população a não reagir, a não ter uma arma.


Lógico, uma vez que você foi rendido não há reação, mas uma coisa é você saber a hora que não deve reagir, outra é você aceitar o condicionamento da não reação. Imagine um agressor se aproxima da mulher mostra uma arma na cintura, e manda que a mulher o acompanhe até um terreno baldio, as chances dela como vítima passiva serão mínimas depois que ele obter o que quer. É essencial reconhecer que bons fins foram e continuarão a ser alcançados através do combate. Muitas democracias devem sua existência ao combate bem-sucedido. Poucos indivíduos negarão a necessidade de combater a Alemanha nazista e o Japão imperial na Segunda Guerra Mundial. E em todo o mundo o preço da civilização é pago todos os dias pelas unidades militares em operações de manutenção da paz e forças policiais domésticas que são forçadas a se envolver em combate corpo a corpo. Tem havido e continuará existindo tempos e lugares onde o combate é inevitável, mas quando uma sociedade requer que sua polícia e forças armadas participem do combate em um cenário como o nosso país com mais de 150 facções criminosas (acesse o Sistema Confac para ver o numero atualizado de facções no Brasil clicando aqui) uso da violência extrema não é só inevitável como necessário.


Obras indicadas: Livros:








Série:






Filme:


Conclusão

O cidadão normal enfrenta resistências internas de cunho fisiológico, psicológico, moral, religioso e social quando se fala em reação violenta contra uma outra pessoa. Mas como sabemos em um cenário de crise como o nosso com milhões, de homicídios, latrocínios, estupros e roubos é impossível pensar em se proteger sem levar em conta a necessidade em algum momento de matar para poder salvar a própria vida ou de um ente querido. Por isso a necessidade de se fazer um autoexame para saber se realmente você seria capaz de por fim a uma vida. Pois não adianta fazer inúmeros cursos táticos, os melhores cursos de autodefesa com os melhores professores, portar três armas, se você não tiver capacidade de despertar o seu primitivismo com toda a ferocidade de maneira brutal em um cenário de crise. Isso tem que vir de dentro do combatente, por isso que muitos grupos operacionais de elite fazem os aspirantes passarem por situações extremas, para separar aqueles que tem determinação, daqueles que fogem, que "pedem pra sair". Então não espere os lobos aparecerem faça um auto exame e trabalhe em cima disso, e leia nossos artigos sobre killologia clicando aqui. Bons estudos.

Dúvidas? sugestões? Deixem nos comentários. Se gostaram deem um curtir e compartilhem. E não esqueçam de clicar em um dos anúncios para nos ajudar a continuarmos com nosso trabalho. Muito obrigado.

Prof. Marcos Antônio Ribeiro dos Santos

Colaboração:

Dr. David S.




E não esqueça de visitar nossa biblioteca sobrevivencialista virtual, clicando na imagem abaixo:



Sobreviva à tudo e à todos. Seja o seu próprio Mestre. Autodefesa levada à sério.


Grupo Centro de Estudo MARS de Sobrevivencialismo Urbano

25 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo