• Marsurvivor

Bomba! Resultados de investigações apontam que Covid-19 foi criado em laboratório!



Investigações sobre a origem do Covid-19 finalmente podem estar apontando para um resultado no mínimo surpreendente. Tanto as declarações recentes de Mike Pompeo, ex-secretário de estado americano, como o artigo de 5 de maio de Nicholas Wade editor do New York Times apontam para um vazamento de coronavírus do Instituto de Virologia de Wuhan (WIV).


Mike Pompeo, acrescentando que o Partido Comunista Chinês (PCC) deve ser considerado "responsável".


Os comentários de Pompeo foram feitos depois que uma mídia dos EUA relatou que três funcionários do laboratório de Wuhan que faziam pesquisas sobre o SARS 2 buscaram hospitalização após adoecer em novembro de 2019, semanas antes da China relatar o primeiro paciente com sintomas semelhantes aos do COVID-19. O que desmentiria a teoria envolvendo a origem estar relacionada a venda para consumo alimentício de animais exóticos na feira de Wuhan. Outro fator colocado em pauta é que até hoje não foi encontrado depois de mais de um ano em qualquer animal a existência do Covid-19, apenas as cepas mais primitivas do SARS em animais como o civeta e o morcego, mas não com as características do vírus encontrado em humanos. O que apontaria segundo estas investigações para uma das indagações que ocorreram no início das investigações, se foi natural e não criado em laboratório como não foi encontrado em nenhum animal?


Pompeo ainda afirma que o PCCh (partido comunista chinês) "fez de tudo" para encobrir e desviar a culpa.


"O PCCh estava ativamente engajado na pesquisa viral no Instituto de Virologia de Wuhan. Cada pedaço de evidência aponta para um vazamento deste laboratório. O PCCh fez de tudo para encobrir e desviar a culpa, até mesmo culpando os EUA. Provar. Eles devem ser responsabilizado ", ele tuitou.


Um informativo do Departamento de Estado dos EUA divulgado pela administração Trump em janeiro disse que os pesquisadores ficaram doentes no outono de 2019 e exibiram "sintomas consistentes com Covid-19 e doenças sazonais comuns". A China informou à Organização Mundial da Saúde (OMS) que o O primeiro paciente com sintomas semelhantes aos de Covid foi registrado em Wuhan em 8 de dezembro de 2019.


"O governo dos Estados Unidos tem motivos para acreditar que vários pesquisadores dentro do WIV ficaram doentes no outono de 2019, antes do primeiro caso identificado do surto, com sintomas consistentes tanto com Covid-19 quanto com doenças sazonais comuns", diz o relatório.


Recentemente, Anthony Fauci, um dos principais assessores do presidente dos EUA Joe Biden sobre a pandemia de coronavírus, disse que "não está convencido" de que o vírus mortal se desenvolveu naturalmente e pediu mais investigações sobre onde surgiu. Fauci foi questionado durante um evento do Poynter, "United Facts of America: A Festival of Fact-Checking", no início deste mês, se ele estava confiante de que Covid-19 se desenvolveu naturalmente, informou a Fox News.


"Não, na verdade. Não estou convencido disso. Acho que devemos continuar a investigar o que aconteceu na China até que continuemos a descobrir o melhor de nossa capacidade o que aconteceu", Fauci, diretor do Instituto Nacional de Alergias e Doenças infecciosas, disse.


"Certamente, as pessoas que investigaram dizem que provavelmente foi o surgimento de um reservatório animal que infectou indivíduos, mas poderia ter sido outra coisa, e precisamos descobrir isso. Então, você sabe, é por isso que Disse que sou totalmente a favor de qualquer investigação que busque a origem do vírus ”, acrescentou.


No mês passado, o secretário de Estado dos EUA, Antony Blinken, lançou um ataque mordaz contra a China por falta de transparência durante "os estágios iniciais" da pandemia de coronavírus e pediu uma investigação mais completa sobre as origens do Covid-19. Os comentários de Blinken vieram após a publicação de uma investigação conjunta da Organização Mundial da Saúde e da China em março.


O inquérito não estabeleceu conclusivamente como ou quando o vírus começou a se espalhar e pouco fez para resolver as preocupações ocidentais de que o Partido Comunista Chinês desviou a investigação a seu favor. O relatório da OMS determinou que a possibilidade de o vírus ter vindo de um laboratório era "extremamente improvável", observando que "não havia registro" de nenhum laboratório com vírus intimamente relacionados.


A investigação porém foi criticada pelos EUA, Reino Unido e outros governos por seu acesso limitado a "dados e amostras originais e completos". A organização também foi acusada de ser excessivamente respeitosa com a China durante o estudo, que foi coautorizado por 17 cientistas chineses - vários deles de instituições estatais.



A verdade pode ser muito pior

Nicholas Wade escritor, editor e autor de ciências do New York Times que trabalhou na equipe da Nature , Science, publicou recentemente no dia cinco de maio um artigo que deixa poucas dúvidas sobre a origem do covid19 em laboratório e o objetivo, que seria a possibilidade de usar o SARS 2 como arma biológica. Segundo suas investigações o vírus além de ter escapado acidentalmente ainda seria resultado de um pesquisa sobre a possibilidade da infecção do SARS 2 para seres humanos com mais facilidade, sendo uma arma biológica eficiente.


Wade trás as respostas em seu artigo sobre o por que alguém iria querer criar um novo vírus capaz de causar uma pandemia? Desde que os virologistas ganharam as ferramentas para manipular os genes de um vírus, eles argumentaram que poderiam se antecipar a uma potencial pandemia explorando o quão perto um dado vírus animal pode estar de chegar aos humanos. E isso justifica os experimentos de laboratório para aumentar a capacidade de vírus animais perigosos de infectar pessoas, afirmaram os virologistas.


Com essa justificativa, por exemplo eles recriaram o vírus da gripe de 1918, mostraram como o quase extinto vírus da poliomielite pode ser sintetizado a partir de sua sequência de DNA publicada e introduziram um gene da varíola em um vírus relacionado.


Essas melhorias nas capacidades virais são conhecidas simplesmente como experimentos de ganho de função. Com os coronavírus, havia um interesse particular nas proteínas de pico, que se projetam em toda a superfície esférica do vírus e determinam qual espécie de animal ele terá como alvo. Em 2000, pesquisadores holandeses, por exemplo, ganharam a gratidão de roedores em todos os lugares ao modificar geneticamente a proteína spike de um coronavírus de camundongo para que atacasse apenas gatos.


Os virologistas começaram a estudar seriamente os coronavírus dos morcegos depois que eles se revelaram a fonte das epidemias de SARS1 e MERS. Em particular, os pesquisadores queriam entender quais mudanças deveriam ocorrer nas proteínas de pico do vírus do morcego antes que ele pudesse infectar as pessoas.


Pesquisadores do Instituto de Virologia de Wuhan, liderados pelo maior especialista da China em vírus de morcegos, Dra. Shi Zheng-li ou "Mulher Morcego", realizaram expedições frequentes às cavernas infestadas de morcegos de Yunnan, no sul da China, e coletaram cerca de cem morcegos diferentes coronavírus.


A Dra. Shi então se juntou a Ralph S. Baric, um eminente pesquisador de coronavírus da Universidade da Carolina do Norte. Seu trabalho se concentrou em aumentar a capacidade dos vírus de morcego de atacar humanos para "examinar o potencial de emergência (isto é, o potencial de infectar humanos) de CoVs de morcego [coronavírus] circulantes". Em busca desse objetivo, em novembro de 2015 eles criaram um novo vírus tomando a espinha dorsal do vírus SARS1 e substituindo sua proteína spike por uma de um vírus de morcego (conhecido como SHC014-CoV). Este vírus fabricado foi capaz de infectar as células das vias respiratórias humanas, pelo menos quando testado contra uma cultura de laboratório dessas células.


O vírus SHC014-CoV / SARS1 é conhecido como quimera porque seu genoma contém material genético de duas cepas de vírus. Se o vírus SARS2 tivesse sido preparado no laboratório do Dra. Shi, seu protótipo direto seria a quimera SHC014-CoV / SARS1, cujo perigo potencial preocupou muitos observadores e gerou intensa discussão.


“Se o vírus escapou, ninguém poderia prever a trajetória”, disse Simon Wain-Hobson, virologista do Instituto Pasteur em Paris.


O Dr. Baric e a Dra. Shi referiram-se aos riscos óbvios em seu artigo, mas argumentaram que eles deveriam ser pesados ​​contra o benefício de prever futuras repercussões. Painéis de revisão científica, escreveram eles, “podem considerar estudos semelhantes que constroem vírus quiméricos com base em cepas circulantes muito arriscadas de serem realizadas”. Dadas as várias restrições impostas à pesquisa de ganho de função (GOF), as questões chegaram, em sua opinião, a “uma encruzilhada das preocupações de pesquisa do GOF; o potencial de preparação e mitigação de surtos futuros deve ser avaliado em relação ao risco de criação de patógenos mais perigosos. No desenvolvimento de políticas futuras, é importante considerar o valor dos dados gerados por esses estudos e se esses tipos de estudos de vírus quiméricos justificam uma investigação mais aprofundada em relação aos riscos inerentes envolvidos. ”


Essa afirmação foi feita em 2015. Em retrospectiva de 2021, pode-se dizer que o valor dos estudos de ganho de função na prevenção da epidemia de SARS2 foi zero. O risco era catastrófico, se de fato o vírus SARS2 foi gerado em um experimento de ganho de função.



Dentro do Instituto de virologia de Wuhan


O Dr. Baric desenvolveu e ensinou a Dra. Shi um método geral para desenvolver coronavírus de morcegos para atacar outras espécies. Os alvos específicos foram células humanas cultivadas em culturas e camundongos humanizados. Esses ratos de laboratório, substitutos éticos e baratos para os seres humanos, são geneticamente modificados para transportar a versão humana de uma proteína chamada ACE2, que se espalha pela superfície das células que revestem as vias aéreas.


A Dra. Shi voltou ao seu laboratório no Instituto de Virologia de Wuhan e retomou o trabalho que ela havia começado com coronavírus geneticamente modificados para atacar células humanas.

Dr. Zheng-li Shi em um laboratório de alta segurança (nível BSL4). Sua pesquisa de coronavírus foi realizada nos laboratórios de BSL2 e BSL3 com níveis de segurança muito mais baixos.



Como podemos ter tanta certeza?


Porque, por uma estranha reviravolta na história, seu trabalho foi financiado pelo Instituto Nacional de Alergia e Doenças Infecciosas (NIAID), uma parte dos Institutos Nacionais de Saúde dos Estados Unidos (NIH). E as propostas de financiamento que financiaram seu trabalho, que são de registro público, especificam exatamente o que ela planejava fazer com o dinheiro.


As bolsas foram atribuídas ao contratante principal, Dr. Daszak da EcoHealth Alliance, que as subcontratou a Dra. Shi. Aqui estão os extratos das concessões para os anos fiscais de 2018 e 2019. “CoV” significa coronavírus e “proteína S” refere-se à proteína de pico do vírus:


“Testar previsões de transmissão interespécies do CoV. Modelos preditivos de gama de hospedeiros (ou seja, potencial de emergência) serão testados experimentalmente usando genética reversa, pseudovírus e ensaios de ligação ao receptor e experimentos de infecção de vírus em uma variedade de culturas de células de diferentes espécies e camundongos humanizados. ”


“Usaremos dados de sequência de proteína S, tecnologia de clone infeccioso, experimentos de infecção in vitro e in vivo e análise de ligação de receptor para testar a hipótese de que% de limiares de divergência em sequências de proteína S predizem potencial de transbordamento”.


O que isso significa, em linguagem não técnica, é que o Dra. Shi se propôs a criar novos coronavírus com a maior infectividade possível para células humanas. Seu plano era pegar genes que codificassem proteínas de pico, possuindo uma variedade de afinidades medidas para células humanas, variando de alta a baixa. Ela iria inserir esses genes de pico um a um na espinha dorsal de uma série de genomas virais (“genética reversa” e “tecnologia de clones infecciosos”), criando uma série de vírus quiméricos. Esses vírus quiméricos seriam então testados quanto à sua capacidade de atacar culturas de células humanas ("in vitro") e camundongos humanizados ("in vivo"). E essa informação ajudaria a prever a probabilidade de “transbordamento”, o salto de um coronavírus dos morcegos para as pessoas.


A abordagem metódica foi projetada segundo as investigações para encontrar a melhor combinação de estrutura do coronavírus e proteína spike para infectar células humanas. A abordagem poderia ter gerado vírus semelhantes ao SARS2 e, de fato, pode ter criado o próprio vírus SARS2 com a combinação certa de estrutura do vírus e proteína de pico.


Ainda não se pode afirmar se a Dra. Shi gerou ou não o SARS2 em seu laboratório porque seus registros foram lacrados, mas parece que ela certamente estava no caminho certo para fazê-lo. “Está claro que o Wuhan Institute of Virology estava construindo sistematicamente novos coronavírus quiméricos e estava avaliando sua capacidade de infectar células humanas e camundongos que expressam ACE2 humano”, diz Richard H. Ebright, biólogo molecular da Rutgers University e principal especialista em biossegurança.


“Também está claro”, disse o Dr. Ebright, “que, dependendo dos contextos genômicos constantes escolhidos para análise, este trabalho poderia ter produzido o SARS-CoV-2 ou um progenitor proximal do SARS-CoV-2.” “Contexto genômico” refere-se ao esqueleto viral específico usado como base de teste para a proteína de pico.


O cenário de fuga do laboratório para a origem do vírus SARS2, como já deveria estar evidente, não é um mero aceno de mão na direção do Instituto de Virologia de Wuhan. É uma proposta detalhada, baseada no projeto específico ali financiado pelo NIAID.


Mesmo que a concessão exigisse o plano de trabalho descrito acima, como podemos ter certeza de que o plano foi de fato executado? Para isso, podemos contar com a palavra do Dr. Daszak, que tem protestado muito nos últimos 15 meses que a fuga do laboratório foi uma teoria da conspiração ridícula inventada por golpistas da China.


Em 9 de dezembro de 2019, antes que o surto da pandemia se tornasse conhecido, o Dr. Daszak deu uma entrevista na qual falou em termos entusiasmados de como os pesquisadores do Instituto de Virologia de Wuhan reprogramaram a proteína spike e geraram coronavírus quiméricos capazes de infectar camundongos humanizados.


O fato é que a pandemia Covid-19 tem perturbado vidas em todo o mundo há mais de um ano. Seu número de mortos chegará em breve a três milhões de pessoas. No entanto, a origem da pandemia permanece incerta: as agendas políticas de governos e cientistas geraram densas nuvens de ofuscamento, que a grande imprensa parece incapaz de dissipar. Está notícia por motivos óbvios não saiu na grande mídia brasileira, mas estou deixando os links abaixo para que você possa acessar a notícia original e ter suas próprias conclusões. O único que trouxe a notícia no Brasil foi o jornalista Paulo Figueiredo que também estou deixando o link do seu vídeo sobre a notícia abaixo:



Links pesquisados:


https://www.washingtonpost.com/opinions/global-opinions/congress-is-finally-investigating-the-lab-accident-covid-19-origin-theory/2021/05/06/d7bfb0e4-aeaf-11eb-b476-c3b287e52a01_story.html


https://nicholaswade.medium.com/origin-of-covid-following-the-clues-6f03564c038


https://in.news.yahoo.com/evidence-suggests-leak-coronavirus-wuhan-074655402.html


https://thebulletin.org/2021/05/the-origin-of-covid-did-people-or-nature-open-pandoras-box-at-wuhan/


https://www.youtube.com/watch?v=NGelb4tOGvY




33 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo